Muriel Paraboni

Cineasta e Artista Visual. Mestre em Artes Visuais PPGART/UFSM. Especialista em Pintura, Desenho e Instalação/FEEVALE. Especialista em Teoria do Teatro: Cena Contemporânea/UFRGS. Especialista em Dirección Escénica en Cine y Television/Escuela Internacional de Cine Y Television, EICTV, Cuba. Especialista em Produção Cinematográfica/PUCRS. Graduado em Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo/UNISINOS. Foi selecionado e recebeu diversos prêmios no Brasil e no exterior como roteirista, diretor e produtor com: Miopia (2002), seu curta de estreia; Entardecer (2016), seu filme mais recente; São Bernardo (2003), roteiro de longa-metragem; e Depois da Náusea (2006), projeto de primeiro longa-metragem.

 

Com formação em Comunicação, Cinema e Artes, a produção de Muriel Paraboni se caracteriza pela alternância de mídias e forte ênfase visual marcada pela experimentação de múltiplas linguagens e, sobretudo, por uma estética que combina poesia e abstração. Participou de 14 mostras coletivas desde 2011 e em 2016 realizou Terra, sua primeira exposição individual, reunindo um conjunto significativo de obras nas mais diversas mídias abordando linguagens que fazem parte de sua poética: pintura, colagem, objeto, vídeo, instalação, fotografia. Há no conjunto da obra de Muriel uma característica evidente: a alternância de estados e contaminações.  Avançar, depurar, arriscar, experimentar, criar espaço para o acidental, para o inesperado, para o novo e para o acaso, são desdobramentos inusitados que surgem no decorrer do fazer artístico. Para a realização de obras com objeto e fotografia, Muriel coleta materiais na natureza que, posteriormente, somam-se ao pigmento acrílico na tela e proporcionam às suas obras uma força que une os diferentes momentos de construção de sua poética. Ainda que os processos possam acontecer paralelamente, eles são capazes de contaminar e alimentar uns aos outros. Flagrar o instante, o momento poético que, em determinado momento, se manifesta materialmente numa pintura, vídeo ou instalação e assim obter novos caminhos e possibilidades de trabalho, refletem o desejo do artista e o seu olhar atento ao tempo e espaço presentes. 


“O indício de que a obra está pronta é quando todo esse movimento e complexidade simplesmente desaparecem na imagem,

proporcionando ao público um instante de serenidade e contemplação.

Quando isso acontece, é hora de começar tudo de novo.”

Muriel Paraboni

Obras do Artista